Estar com os colegas foi o melhor do regresso à escola

O que falar aos seus filhos sobre o conteúdo sexual que os amigos  compartilham na escolaPois foi, as saudades já apertavam.



Mais do que o regresso às aulas, foi a possibilidade de voltar a estar com os colegas na escola que mais entusiasmou os alunos. E entre aulas presenciais e remotas, a escolha vai, sem dúvida, para as primeiras. Estas são duas das principais conclusões que resultam de um inquérito a quase 2800 crianças e jovens com ou em risco de insucesso escolar, abrangidos pelos programas de apoio da associação Empresários pela Inclusão Social.


Com o fecho das escolas a 16 de março, foi só ao fim de seis meses, em setembro passado, que centenas de milhares de jovens voltaram a sentar-se ao lado dos colegas da turma e a conviver nos recreios. E, quando questionados sobre o que mais gostaram nesse regresso, o contacto com os colegas na escola foi a resposta mais dada (entre 60% a 70%, dependendo do grupo etário). “Sair de casa e poder ir para a escola” foi a segunda mais escolhida.


Mas há diferenças no tipo de resposta consoante a idade. O caso mais flagrante prende-se com a proximidade com os professores, que é muito mais sentida entre os mais novos. Assim, o “contacto com os professores na escola” foi o que 38% das crianças do 1º ciclo (1º ao 4º ano) mais apreciaram. No caso dos alunos do 7º ao 9º ano, essa percentagem cai para 12%. Os números refletem o “valor social e relacional da escola presencial entre pares e, no 1º ciclo, entre alunos e professores”. “Mesmo assim, não estava à espera de uma diferença tão grande”, admite o secretário-geral da EPIS, Diogo Simões Pereira.




Para 38% das crianças do 1º ciclo o melhor do regresso à escola foi voltar a estar com os professores


Quanto à preferência pelo tipo de aulas, a grande maioria não hesita em identificar o contacto presencial com o professor como o melhor, sobretudo no que toca à compreen­são da matéria: cerca de 90% percebem melhor se estiverem na sala de aula. Mais divididas são as respostas em relação ao comportamento. Se cerca de 60% dos alunos mais novos (1º e 2º ciclos) dizem comportar-se melhor nas aulas presenciais, no caso dos estudantes do 7º, 8º e 9º anos essa percentagem é de apenas 35%, ligeiramente abaixo até dos 38% dos que afirmam comportar-se melhor nas aulas por computador.


Em geral, os mais velhos estão mais à vontade com o ensino remoto. No 3º ciclo, a percentagem de alunos que se sente na mesma, pior ou muito pior com o regresso à escola é de 21%, comparando com 13% no 2º ciclo e 9% no 1º ciclo. “Há um número significativo de respostas que indicam indiferença perante os dois modelos de ensino, o que demonstra uma maior habituação a esta forma de aprender”, avalia Dio­go Simões Pereira.


O inquérito também avaliou o que mais assusta os jovens na pandemia. A possibilidade de ficar infetado ou de a família adoecer foi a resposta mais frequente, a rondar os 80%. Os alunos do 3º ciclo também manifestaram outras preocupações relacionadas com a perda de emprego e de rendimento da família (um em cada quatro apontou-o) e um quinto indicou a possibilidade de o ensino remoto prejudicar o resultado escolar no final do ano.


A EPIS acompanha neste ano letivo 7500 alunos de 235 escolas do continente e dos Açores, contando com o apoio de 167 mediadores.


Isabel Leiria in Expresso
Vê isto...

Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Postagem Anterior Próxima Postagem