Escolas podem voltar a fechar em concelhos onde a pandemia se agrave




Escolas podem voltar a fechar em concelhos onde a pandemia se agrave


 O plano de desconfinamento apresentado na quinta-feira pelo primeiro-ministro obedece a uma lógica: para o país avançar no sentido do desconfinamento é visto como um todo e são analisados os indicadores a nível continental (excluindo Madeira e Açores); para travar ou voltar atrás, o que conta são os indicadores regionais. A regra aplica-se inclusivamente às escolas.

Mas a ideia é evitar ao máximo o encerramento total. É prestar muita atenção à estrada para travar a tempo, se necessário, sem chocar com uma realidade que obrigue a voltar ao ponto de partida. Se assim for, contrariedades momentâneas ou localizadas, poderão ser contornadas como um buraco na estrada, que atrasa mas não obriga a voltar atrás. Assim, pretende-se que, mesmo que o Rt suba um pouco acima de 1 ou a incidência ultrapasse muito os 120 casos por 100 mil habitantes, em determinado sítio e em determinado momento, seja possível no mínimo não sair da etapa em que entramos na segunda-feira. Aquela que tem escolas abertas até ao 1.º ciclo, cabeleireiros, livrarias e comércio ao postigo a funcionar.

O plano foi resumido a um quadro de quatro cores — verde, amarelo/laranja e vermelho ­— e não foi por acaso. “Não é um plano a preto e branco, para fechar ou abrir”, explica fonte do Governo ao PÚBLICO. No executivo, os quatro quadradinhos são vistos como uma “espécie de farol” que mostra uma tendência e que guia o país no sentido do desconfinamento. E do confinamento, se for caso de retroceder nas medidas.

“A lógica para o desconfinamento é nacional enquanto a lógica para o confinamento é regional”, explica a mesma fonte. Isto significa que no momento de fazer a avaliação sobre a passagem à fase seguinte do desconfinamento, o que interessa é saber se o país continental está com o Rt abaixo de 1 e se a incidência está abaixo dos 120 casos por 100 mil habitantes. Se estiver, passa tudo à fase seguinte. Se não estiver, congela. “À partida, não se trata de agravar as medidas, trata-se sempre de não as desagravar”.

É claro que, se houver casos mais graves, pode haver escolas que voltem a encerrar ou que nem cheguem a abrir. Mais uma vez, a abertura é decidida a nível nacional e o encerramento a nível local. “Se o Rt subir acima de 1 e houver zonas de maior risco, com incidências muito altas, o desconfinamento pode não avançar nessas zonas e nas limítrofes.” Por zonas entenda-se concelhos, porque as autoridades de saúde têm acesso aos dados concelhios do Rt. “Já aconteceu antes em Felgueiras, Ovar, Odivelas ou Loures, por exemplo”, recorda a fonte do executivo.

Não é obrigatório que todos os concelhos à volta de uma zona considerada de risco parem ou recuem, quando outros passam à fase seguinte e continuam a desconfinar. “Há muitos indicadores a avaliar: se se tratar de um surto localizado, num lar ou numa fábrica, pode não acontecer nada, mesmo que a incidência seja alta”. Taxa de vacinação, testes feitos e rastreios são outros factores que podem contar na hora de tomar uma decisão.

+ Sobre Educação

Este blog foi criado por um aluno do Ensino Básico, com objetivo de informar e ajudar a comunidade educativa, partilhando opiniões, notícias e materiais de apoio. Este espaço foi criado a 17 de julho de 2020, durante as férias de verão. Esta casa tem vindo a crescer dia-a-dia e espero ficar aqui durante longos anos. facebook blogger

Enviar um comentário

Todos os comentários, são sujeitos a moderação.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de Contacto