Sindicato e profissionais de educação denunciam despedimento de dois mil trabalhadores não docentes


 Cerca de 30 dirigentes sindicais e profissionais do setor da Educação concentraram-se esta quarta-feira em frente ao Ministério da Educação, em Lisboa, para denunciar o despedimento de cerca de dois mil trabalhadores não docentes.

O coordenador da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, Sebastião Santana, disse à Lusa que há cerca de 1500 trabalhadores que foram contratados para responder às regras sanitárias e “que vão ver o fim dos seus contratos a 31 de agosto”.

A estes, continuou, somam-se “cerca de 500 trabalhadores que têm os contratos precários renovados anualmente desde 2017 e que mais uma vez estão à espera”, continuando com “a casa às costas”.

Nesta situação encontra-se a assistente operacional Madalena Campos, de 43 anos.

Precisamos de mais pessoal [nas escolas] e estão a mandar-nos embora. Isto não é justo. Preciso de trabalho, estou a lutar pelo que quero e sou esforçada. Chega a esta altura e é sempre a mesma coisa: estamos em cima da ponte e não sabemos se nos devemos atirar ou não”, desabafa.

Em igual estado de espírito e profissional está Linda Soares, de 47 anos, que diz sentir-se “angustiada e descartável”.

“Com a Covid-19 ainda precisam mais do nosso trabalho. Se formos embora, as escolas não vão ficar desinfetadas. Para além que vamos todos para o desemprego quando somos necessários”, acrescenta.

Sebastião Santana sublinhou a Federação “já enviou vários ofícios ao Ministério tanto para saber o número exato de trabalhadores [nesta situação], como para saber qual é a perspetiva de renovação destes contratos e até hoje permanece o silêncio absoluto“.

O dirigente sindical considerou que é “uma questão elementar de justiça” contratar estes trabalhadores e afirmou que, mesmo assim, estariam “a faltar assistentes operacionais nas escolas”.

É recorrente, observou, haver escolas “com um assistente operacional para cada cem alunos”, o que “impossibilita a educação e formação na escola porque os ambientes circundantes são determinantes e têm de ser vigiados”, ficando essa tarefa comprometida “com a ausência de trabalhadores não docentes”.

A Federação exige “da parte do Governo, e do Ministério da Educação em particular, que cumpra com aquilo que vem na Constituição: uma escola pública de qualidade que só é possível com estes e outros trabalhadores que fazem falta”.


Fonte: Sindicato e profissionais de educação denunciam despedimento de dois mil trabalhadores – Observador

/* Button Night Mode*/ .btn-nightmode{position:fixed;float:left;z-index:99;bottom:20px;left:20px;font-size:15px;padding:10px;border-radius:50%;background:#00A3FE;text-align:center} .btn-nightmode svg{width:24px;height:24px;vertical-align: -5px;background-repeat: no-repeat !important;content: ''} .btn-nightmode svg path{fill:#fff} .check {display: none} .btn-nightmode .iconmode .openmode{display:block} .btn-nightmode .iconmode .closemode{display:none} .btn-nightmode .check:checked ~ .iconmode .openmode{display:none} .btn-nightmode .check:checked ~ .iconmode .closemode{display:block} /* Night Mode */ .Night{background:#202124;color:rgba(255,255,255,.9)} .Night blockquote,.Night kbd{background:#17181a;color:rgba(255,255,255,.9)}

+ Sobre Educação

Este blog foi criado por um aluno do Ensino Básico, com objetivo de informar e ajudar a comunidade educativa, partilhando opiniões, notícias e materiais de apoio. Este espaço foi criado a 17 de julho de 2020, durante as férias de verão. Esta casa tem vindo a crescer dia-a-dia e espero ficar aqui durante longos anos. facebook blogger

Enviar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de Contacto