Comunidade educativa preocupada com possível novo adiamento do 2º período

 


Comunidade escolar preocupada com possível novo adiamento do 2º período (dn.pt)

O governo já tinha anunciado o adiamento do início do 2.º período do ano letivo, para que as escolas estivessem encerradas na primeira semana do ano, mas o primeiro-ministro, António Costa, já deixou entreaberta a possibilidade de estender essa "semana de contenção" nas escolas. Só no próximo dia 5 de janeiro, data na qual será feita uma reavaliação da situação epidemiológica do país, se saberá se os alunos regressam mesmo às aulas presenciais a 10 de janeiro ou se a evolução da pandemia, agora acelerada pela variante Ómicron, força a alteração dos planos. Uma dúvida que levanta muitas preocupações por parte da comunidade escolar.

Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), teme um novo adiamento do arranque das aulas. "Espero que no dia 5 de janeiro digam que as escolas vão recomeçar no dia 10. Já chega de adiamentos e de mudanças no calendário escolar por culpa da sociedade. Quando a sociedade não tem juízo a escola é que paga e era muito mau se essa fosse a solução", afirma.

O responsável pela ANDAEP espera que "as escolas não sejam mais uma vez penalizadas por causa dos desvarios que os adultos cometem nas épocas festivas". Contudo, Filinto Lima sublinha que "as escolas estão preparadas para o ensino remoto de emergência", caso venha a confirmar-se uma nova alteração de planos. "Estamos mais bem preparados do que no passado. Estamos melhor, quer em meios, quer em conhecimentos. As escolas estão preparadas para essa possibilidade até porque, no 1.º período, quase todas tiveram turmas em confinamento. Houve turmas que chegaram a confinar quatro vezes. A verdade é que temos mais capacitação digital, mas o ensino remoto de emergência é um grande constrangimento e há que o evitar", explica.

Já no que se refere a uma nova alteração do calendário escolar, Filinto Lima é perentório: "A solução só pode passar pelo ensino remoto de emergência, sem qualquer alteração adicional ao calendário." "Se optarem por mais uma semana em casa, até dia 14, onde se vão recuperar mais cinco dias úteis de aulas durante o 3.º período? No 2.º período já não há hipótese", afirma. O presidente da ANDAEP explica que "a pausa do Carnaval está quase esgotada" e "a da Páscoa não se pode diminuir ainda mais". "Essa pausa é necessária para aguentar o 3.º período. E prolongar o 3.º período é impensável. Era acabar outra vez no verão, como aconteceu no ano passado e levou à exaustão de alunos e professores."

André Rodrigues

Este blog foi criado por um aluno do Ensino Básico, com objetivo de informar e ajudar a comunidade educativa, partilhando opiniões, notícias e materiais de apoio. Este espaço foi criado a 17 de julho de 2020, durante as férias de verão. Esta casa tem vindo a crescer dia-a-dia e espero ficar aqui durante longos anos. Sou estudante e no futuro pretendo ser professor. facebook blogger

Enviar um comentário

Todos os comentários, são sujeitos a moderação.

Postagem Anterior Próxima Postagem

 

Formulário de Contacto