A Manifestação de Ontem - "maior luta de sempre"; "Um dia histórico"

STOP fala em "milhares" de profissionais da educação no protesto em Lisboa - SIC Notícias (sicnoticias.pt)

STOP fala em 20 mil professores na manifestação em Lisboa (rtp.pt)

Do Marquês ao Parlamento, milhares de professores juntam-se num dos maiores protestos de sempre - SIC Notícias (sicnoticias.pt)

″Um dia histórico″. Milhares de professores na rua a prometer ″maior luta de sempre″ (dn.pt)

O Sindicato de [email protected] @s Profissionais da Educação (STOP) estima que estejam "uns milhares de todo o país" no protesto este sábado convocado para Lisboa.

"Ministro, escuta, professores em luta" foi a frase com que o cortejo de manifestantes chegou à praça do Marquês de Pombal, empunhando cartazes e faixas e ao som de apitos e tambores.

"Por uma avaliação decente" é uma das reivindicações por melhores condições profissionais e laborais.

"Professores em união para salvar a educação" e "Basta, não aguentamos mais" são algumas das frases impressas em faixas e cartazes.

À Lusa, o presidente do STOP, André Pestana, garante que os professores e educadores querem "fazer parte da solução", mas manterão o protesto até verem as suas reivindicações atendidas pelo Ministério da Educação.

Minutos antes da concentração, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, estava por perto "a trabalhar" e quis deixar "um abraço de solidariedade", ouvindo queixas de uns professores e deixando-se fotografar com outros.

Garcia Pereira, advogado especializado em Direito do Trabalho e ex-dirigente do MRPP, foi um dos "convidados" a falar aos manifestantes.

"Esta vossa, e nossa, luta é também importante para alunos e pais", sublinhou, considerando que "um país de gente inculta, impreparada e sem memória" serve a "governos autoritários".

A educação é fundamental para "um país com futuro", vincou.

Elogiando "o pequeno mas firme e lutador" STOP, "que não aceita alinhar em vigílias e greves fofinhas", sublinhou que "os sindicatos, tal como as pessoas, não se medem aos palmos".

Quando mencionou o "arrogante" António Costa, ouviram-se assobios, que aumentaram de volume quando se ouviu o nome do ministro da Educação, João Costa.

"Não, não nos deixamos habituar", respondeu Garcia Pereira, numa alusão ao título da entrevista que o primeiro-ministro deu à revista Visão.

"Mais vale lutar e cair de pé do que viver toda a vida ajoelhado", disse.

O professor do ensino superior Santiago Castilho, outro dos "convidados" a discursar, antes do arranque do cortejo até à Assembleia da República, fez uma "síntese do desrespeito" pela atividade docente, enquanto pedia que os bombos parassem "um pouco", para continuar a falar, sem grande resultado, dado que o protesto continuou ruidoso.

É preciso, disse, "agarrar no chicote para expulsar este sacrista", apelou, referindo-se ao ministro João Costa, que acusou de "mentir" a professores e educadores.

"As lutas sindicais têm sido cada vez mais aprisionadas por interesses partidários", notou Santana Castilho.

"Estamos a resistir e a levantarmo-nos do chão", garantiu, enumerando as reivindicações de luta, apoiado pelos manifestantes, alguns já visivelmente cansados de palavras e a pedirem que se iniciasse o desfile.



Vê isto...

Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Postagem Anterior Próxima Postagem