Peritos defendem mudanças nos exames nacionais e provas de aferição

Peritos defendem mudanças nos exames nacionais e provas de aferição (jn.pt)

Os instrumentos de avaliação devem ser melhorados e as provas de aferição ou exames (elaborados pelo Instituto de Avaliação Educativa, IAVE) devem ter um grupo de "perguntas âncora" que permita comparar a evolução dos alunos de ano para ano, defendeu esta terça-feira Pedro Freitas, no Parlamento.

O investigador da Universidade Nova de Lisboa foi hoje ouvido com Susana Peralta e Ana Balcão Reis no grupo de trabalho que, na Comissão de Educação, acompanha o plano de recuperação das aprendizagens. Os três integraram a equipa que, em 2021, fez o relatório "Aprendizagens perdidas devido à pandemia: uma proposta de recuperação", pedido pelo Governo.

Pedro Freitas começou por referir que os resultados das provas de aferição feitas em 2021, por amostragem, e em 2022 por todos os alunos dos 2.º , 5.º e 8.º anos revelam melhorias. "Foi com estranheza", assumiu, que a equipa olhou para os resultados deste ano que traduzem não só uma melhoria como, em alguns domínios, desempenhos melhores do que antes da pandemia.

Vê isto...

Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.

Postagem Anterior Próxima Postagem